Noticias - Igrejas cristãs no Irã pedem ao governo que “pare com o assédio contínuo” | Igreja Batista Aliança Eterna


Home » Matérias » Igrejas cristãs no Irã pedem ao governo que “pare com o assédio contínuo”
l
l
l



Igrejas cristãs no Irã pedem ao governo que “pare com o assédio contínuo”

Igrejas cristãs no Irã pedem ao governo que “pare com o assédio contínuo”

No início do mês de fevereiro, a Portas Abertas noticiou sobre o cristão iraniano Ebrahim Firouzi, que foi convocado a prestar novos esclarecimentos às autoridades do Irã por “propaganda contra a república islâmica”.

As autoridades haviam dito que a liberação do seguidor de Jesus aconteceria até o dia 20 de fevereiro, mas até agora nada foi feito e Firouzi permanece detido na prisão de Zahedan, no Sudoeste do Irã.

Ontem, o Conselho das Igrejas Iranianas Unidas pediu a libertação imediata e incondicional de Firouzi e o encerramento do caso.

“O Ministério da Inteligência da República Islâmica não parou de assediar e perseguir o senhor Firouzi, mesmo no exílio. Ao fazer novas acusações e confiscar a propriedade dele, tornou a vida mais desumana e difícil para ele no exílio em Rask”, disse em um comunicado.

 

Em novembro, especialistas em Direitos Humanos da ONU alertaram o governo iraniano sobre “a repressão generalizada relatada contra e perseguição de pessoas pertencentes à minoria cristã no Irã, em particular aquelas que se converteram do islã”.

“Pronta para suportar prisão e chibatadas”

A cristã iraniana Fatemeh Mohammadi, também conhecida como Mary, é uma jovem ativista dos direitos cristãos que já enfrentou perseguição por não abrir mão da  em Jesus e chegou a ser detida pelas autoridades do país. Ela também teve negado o direito à educação e ao emprego.

“Minha condição é terrível, mas falar sobre isso é meu dever, a fim de informar o mundo sobre as realidades no Irã. Estou pronta para suportar prisão e chibatadas. Sei que educação, trabalho e liberdade religiosa são meus direitos e não vou desistir deles”, disse a jovem de 22 anos.

“Pense em como você ama profundamente alguém, e sempre que você pensa sobre essa pessoa, você se conforta. Você sorri inconscientemente, e pode suportar tudo. Então nada mais parece tão importante. Jesus Cristo é assim para mim. Eu realmente o amo e, no início, fiz um pacto com ele para permanecer fiel. Ele é meu amor divino que nunca muda”, explica a jovem cristã ex-muçulmana.




Voltar